Archive for julho, 2011

Havia combinado de sair para jantar com minha melhor amiga e seu novo namorado, queria conhecer o rapaz que ela tanto mencionava, não só por curiosidade, mas afim de aprovar ou não a união recém-formada.

Era uma Quarta-feira, dia cinzento e com ventos fortes que me causava arrepios. Optei por usar um vestido que marcava levemente as curvas acentuadas do meu corpo por baixo de um trenchcoat preto, cachecol vermelho e botas. Uma maquiagem leve, apenas para disfarçar as olheiras adquiridas noite passada, na qual fui dominada pela insônia.

Encontrei-os às 8 da noite em um restaurante com um ar aconchegante, porém requintado, que ficava a 2 quadras de minha casa. Mandy estava incrivelmente deslumbrante com sua blusa de seda vermelha, saia social que marcava sua cintura, tão fina quanto a de uma boneca e um casaco de veludo, protegendo sua pele aparentemente delicada do frio. Seus cabelos loiros e lisos estavam impecáveis afinal foram preparados pelas mãos mágicas do melhor cabelereiro da cidade. Seu parceiro, Marc, era divinamente viril e charmoso. Transpirava masculinidade, um tanto quanto instigante e misterioso. Eram perfeitos um pro outro.

Aproveitei para colocar a conversa em dia com minha querida amiga, afinal, não nos viamos a algumas semanas e sempre fomos muito apegadas e unidas. Marc muito simpático e discreto, se fez presente, quebrando a formalidade da situação. Degustavamos drinks exóticos e comidas preparadas com muito bom gosto, despertando um ar afrodisíaco.

Estava ficando tarde, os drinks já nos entorpecia e uma forte chuva começou a cair. Pagamos a conta e decidimos dividir um táxi. A primeira parada foi na casa de Mandy. Já desembarcando, ela perguntou se gostaria de subir para conversarmos mais um pouco. Resolvi aceitar, não havia nada de interessante para fazer em casa e a companhia de ambos era bastante agradável.

Sentamos no sofá macio na sala enquanto a anfitriã nos servia de uma dose de whisque. Marc sempre animado nos contagiava com histórias da sua adolescência rebelde e marcante. Logo entramos em detalhes mais íntimos, confesso que estava ficando excitada com a situação. Eu, como amante do sexo e digamos.. “experiente” no assunto, resolvi compartilhar com eles algumas de minhas aventuras e percebi que ao longo destas, eles se mostravam curiosos e uma crescente, porém, tímida vontade, estava dominando o recinto.

Tomei iniciativa, aproximei-me do rosto de Mandy e encostei minha língua em seus lábios carnudos. Marc, surpreso, presenciou a cena com um sorriso malioso e resolveu se juntar à nos. Acariciava seus corpos enquanto eles se beijavam e arrancavam suas roupas com sutil selvageria, um misto de cuidado e desejo bruto. Deitei-me no sofá, Marc gentilmente abriu minhas pernas revelando a minúscula lingerie que usava debaixo do vestido. Colocou-a para o lado e beijou-me nos lábios de baixo, enquanto os de cima reproduziam com exatidão os mesmos movimentos em Mandy. Experimentamos várias posições aquela noite, nos divertimos intensamente a ponto de atingirmos o clímax.

Após, Marc e Mandy foram para o quarto se deitar – e quem sabe, brincararem a sós – enquanto me recompunha para voltar para casa.

Acredito que tenha sido divertido para todos. Um pouco de sacanagem quebra à rotina e revive o tesão de um casal.

Eu? Eu continuo sozinha mas sempre preparada para ocasiões imprevisíveis que trazem consigo muito prazer.

Anúncios